Engenharia Ambiental - UFRJ

FAQ – Perguntas Frequentes

 

O que faz um engenheiro ambiental?

O engenheiro ambiental é um profissional preparado para exercer diversas atividades técnicas relacionadas a preservação ambiental. Sua profissão é regulamentada pelo Sistema CONFEA/CREA, através da Resolução nº 447, de 22 de setembro de 2000, que se encontra no link: http://normativos.confea.org.br/downloads/0447-00.pdf . O site do curso na UFRJ oferece maiores informações sobre a profissão (http://www.poli.ufrj.br/graduacao_cursos_engenharia_ambiental.php).

Quais os concursos que oferecem vagas específicas para engenheiros ambientais?

As principais organizações que oferecem vagas para nós são Petrobrás, INEA e IBAMA. Mas podemos trabalhar também em instâncias como BNDES, TRANSPETRO, CETESB, ANA e ANP, entre muitas outras.

Quais empresas nos contratam?

Grandes empresas, como Vale, Odebrecht e Ipiranga. Algumas consultorias, como a ICF. Além companhias da área de saneamento, a exemplo do grupo Águas do Brasil, do setor elétrico, tal qual a ABENGOA, entre outros ramos de atividade.

Quais são as áreas em que podemos atuar?

As principais áreas de atuação do Engenheiro Ambiental são: planejamento ambiental do território, licenciamento ambiental, estudos de impacto ambiental, monitoramento e avaliação de impacto ambiental, controle da poluição ambiental, gestão ambiental, gerenciamento de riscos em atividades produtivas, sistemas de higiene e segurança ambiental e engenharia sanitária.

Qual o salário médio de um engenheiro ambiental?

De acordo com uma Lei Federal, o piso salarial para um Engenheiro Ambiental recém formado é de 6 salários mínimos (aproximadamente R$ 3.700,00) para uma carga horária de 6 horas e de 8 salários mínimos e meio (em torno de R$5.200,00) para uma carga horária de 8 horas.

Qual a diferença entre Engenharia Ambiental e Ciências Biológicas/ Biologia?

Um biológo é um profissional que lida com as diferentes formas de vida, estudando os organismos vivos e desenvolvendo aplicações práticas no manejo dos mesmos, na conservação das espécies, na agricultura e na saúde. O engenheiro ambiental, por sua vez, está mais voltado para as interações entre ser-humano e meio ambiente, lidando com diversos problemas e questões ambientais (licenciamento ambiental, saneamento básico, gestão ambiental, por exemplo) relacionados à atividade humana e industrial.


O curso

Qual a duração do curso?

A duração do curso é de 5 anos e o prazo máximo é de 9 anos. Após este período, o aluno pode ter a matrícula cancelada.

Qual é a quantidade mínima de créditos por período?

O mínimo de créditos necessários para cursar cada período são 6 créditos e o máximo são 32.

Como são dividas as disciplinas?

Para fazer jus ao diploma, o aluno deve cursar e ser aprovado num conjunto de disciplinas que compõem o curso. Tais disciplinas dividem-se em 2 áreas principais:

Disciplinas Obrigatórias - o aluno deve cursar todas as disciplinas deste conjunto, sem exceções, a fim de completar 191 créditos (2985 horas);

Disciplinas Complementares – conjunto de disciplinas que, escolhidas dentro de certos limites, complementam a formação do aluno. São dividas em três grupos: Disciplinas Complementares de Escolha Condicionada (DCEC- é um conjunto de disciplinas definidas pelo curso, a partir do qual o aluno deve escolher certo número de forma a totalizar 24 créditos, em geral permitindo ao aluno se especializar em alguma área do seu curso); Disciplinas Condicionadas de Escolha Restrita (DCER- cada curso define um conjunto de disciplinas da área de humanas, do qual o aluno escolhe algumas de forma a totalizar 4 créditos) e Disciplinas Complementares de Escolha Livre (DCER- o aluno pode escolher quaisquer disciplinas de quaisquer cursos da UFRJ livremente, de forma a obter 3 créditos).


Quais são os novos grupos de optativas do curso?

Estão sendo implementados sete principais grupos de optativas para o curso de Engenharia Ambiental, que direcionam a formação do aluno. São eles: Indústria, Segurança, Petróleo e Gás; Energia e Ciências Atmosféricas; Solos e Resíduos; Recursos Hídricos; Saneamento; Planejamento, Gestão e Economia; e Engenharia Urbana.

A escolha das disciplinas eletivas já configura um diploma especializado nas áreas representativas dessas disciplinas?

Não, apenas orienta a formação do aluno. A exceção é para conseguir a atribuição de Engenheiro Sanitarista, em que normalmente se faz necessário cursar a disciplina Instalações Prediais II .

Onde podemos encontrar a Grade Curricular do Curso?

A Grade Curricular está no link https://www.siga.ufrj.br/sira/temas/zire/frameConsultas.jsp?mainPage=/repositorio-curriculo/5E9E6A60-92A4-F716-0070-3FAE7F5FC428.html .

Como funcionará a nova grade curricular?

A nova grade curricular entrará em vigor no período 2014/1 e há um entendimento de que será válida para aqueles que ainda não estejam no 8º período ou superior (estes poderão optar).

O que são as horas complementares? Como podemos preenchê-las?

As atividades complementares fazem parte dos requisitos curriculares suplementares (RCS) e equivalem a 27 créditos (10% do total de créditos exigidos para a graduação), isto é, 370 horas. Constituem-se, principalmente, de estágio não obrigatórios, participação em equipes de competições acadêmicas, iniciação científica, participação e organização de eventos, monitoria, entre outros. No link a seguir, estão listadas algumas dessas atividades e os respectivos formulários a serem preenchidos para dar validade a elas: http://www.poli.ufrj.br/graduacao_aces.php . É importante notar que se deve registrá-las ao fim de cada período.

O que é o trabalho de conclusão de curso?

O trabalho de conclusão de curso é um Requisito Curricular Suplementar (RCS) obrigatório. Ele vale 4 créditos e terá uma nota de 0 a 10, atribuída por Banca Examinadora. A inscrição no Projeto de Graduação tem validade de, no máximo, 3 períodos consecutivos e será obrigatória imediatamente após o aluno haver completado um número mínimo de créditos equivalentes à integralização do sétimo período. Ele é desenvolvido de forma preferencialmente individual, admitindo-se, no entanto, a critério da Comissão de Projeto de Graduação, que seja desenvolvido por até 02 alunos. As normas e regras para a formulação do trabalho de conclusão de curso encontram-se no site de Engenharia Ambiental.

Quais são os trabalhos de conclusão mais comuns?

Boa parte dos alunos fazem trabalhos: na área de Engenharia Costeira (contemplando a Modelagem Hidrodinâmica); em Mudanças Climáticas (sobretudo no que se refere aos diferentes aspectos do Aquecimento Global); em novos materias de construção, ditos sustentáveis; no setor de Petróleo e Gás (contemplando técnicas de poluição); em Saneamento Básico (concebendo melhorias nos sistemas de tratamento de água e esgoto), além de muitos outros. O próposito do trabalho é acadêmico, a fim de se estudar um tema e gerar uma contribuição para o seu desenvolvimento. Dessa forma, demanda do aluno conhecimento de Metodologia e Pesquisa.


O que é o DRHIMA?

O DRHIMA é o Departamento de Recursos Hídricos e Meio Ambiente. Ele fornece algumas disciplinas aos alunos da Universidade, e é o departamento que mais se relaciona com o curso de Engenharia Ambiental. Encontra-se na sala 204 do Bloco D do CT.


Como funciona o trancamento de matrícula?

O trancamento divide-se em dois: o solicitado e o automático. O trancamento de matrícula solicitado é direito do aluno, desde que já tenha cursado na UFRJ, com aproveitamento, um mínimo de 12 créditos. O interessado poderá solicitar trancamento de matrícula na secretaria do curso através do preenchimento de formulário específico, a qualquer tempo, salvo na última metade do período letivo. Cabe ao coordenador do curso autorizar tal pedido. Já o trancamento automático ocorre para o aluno com matrícula ativa que não efetuar inscrição em disciplinas no período estipulado através do Calendário Acadêmico ou que, ao final do período letivo, apresentar CR igual a zero. O aluno que estiver com a mensagem "Trancamento Automático" em seu boletim deverá procurar a coordenação do curso para saber como deve proceder para reativar a matrícula. Aquele aluno em situação de Trancamento Automático que, no período seguinte, não realizar inscrição em disciplinas, terá sua matrícula cancelada por abandono.


Como funciona o cancelamento de matrículas?

O cancelamento de matrículas é a cessação total do vínculo do aluno com a Universidade. Cabe ao decano efetuar este procedimento, podendo este ser voluntário ou por ato administrativo quando o aluno:

• Obtiver coeficiente de rendimento (CR) inferior a 3,0 e em três períodos regulares consecutivos (exceto períodos especiais), não sendo esta contagem interrompida por períodos de trancamento ou de cancelamento de matrícula;

• Ultrapassar o prazo máximo de integralização curricular;

• Cursar, sem aproveitamento, a mesma disciplina, por quatro vezes;

• Sofrer sanção disciplinar, nos termos do código disciplinar da Universidade;

• Concluir o curso.

• Deixar de se inscrever em disciplinas em um período letivo;


Como funciona a Rematrícula?

Aquele que teve sua matrícula cancelada por conclusão de curso deve fazer o pedido de rematrícula mediante requerimento dirigido ao decano.

Por quanto tempo podemos ter a matrícula trancada?

O trancamento de matrículas (solicitado ou automático) só é permitido durante 4 períodos letivos, sendo que o primeiro pode ser por períodos consecutivos e o segundo não. O aluno com trancamento solicitado poderá retornar às atividades discentes antes de decorrido prazo, por meio de formulário próprio e dentro do período previsto no Calendário Acadêmico.

Como funciona a transferência de curso ou de Universidade?

O aluno que deseja realizar a tranferência de curso deve estar atento aos editais na página da UFRJ.

Como funciona a alteração de Inscrição em Disciplinas?

Desde que não tenham decorrido dez dias do período letivo, os alunos tem o direito de modificar seus planos de estudos, cujo procedimento é feito através do SIGA. A alteração é feita por meio de um formulário específico entregue à secretaria do curso, solicitando-se a inclusão ou exclusão de disciplinas. Os prazos devem ser observados e os pedidos ficam submetidos ao aval do orientador.

Quais são as regras de trancamento de disciplinas?

A desistência da inscrição em disciplinas é autorizada aos alunos desde que não se tenha ultrapassado um quarto do período letivo.

Como funciona a dispensa de disciplinas?

A Dispensa de Disciplinas é concedida quando o aluno já houver cursado disciplina correspondente (programa equivalente em conteúdo e orientação) em outra Instituição de Ensino Superior reconhecida pelo Conselho Federal de Educação, sendo nela aprovado ou tendo sido aprovado em duas ou mais disciplinas que, em conjunto, sejam consideradas equivalentes. A dispensa em uma disciplina confere ao aluno número de créditos equivalente ao que a disciplina dispensada conferiria. Deve-se recorrer à secretaria acadêmica para realizar este procedimento.

Como funciona a transferência de créditos?

O aluno que ingressa na Escola Politécnica pode solicitar a tranferência de créditos já cursados em outra Instituição de Ensino Superior. Para isso, imediatamente após sua matrícula, ele deve requerer de uma única vez a transferência de todos os créditos já cursados que forem passíveis de transferência, anexando a documentação exigida. O pedido será analisado pelo Coordenador do Curso. Caso o pedido seja aprovado, os créditos serão transferidos e as disciplinas correspondentes passarão a figurar no histórico do aluno. Os graus obtidos na instituição de origem não são transferidos.

Quando se pode pedir quebra de pré-requisito e concomitância?

Ambas só podem acontecer quando o aluno for formando (mais de 85% dos créditos concluídos- no caso da Ambiental, 196 créditos). Para isso, o aluno deverá entrar com um processo para regularizar sua inscrição.


Como funciona a sobreposição de horários?

A sobreposição de horário não é permitida na Escola Politécnica.


Qual a diferença entre CRID e o CEPID?

A diferença básica é que o CEPID é um certificado de pedido de inscrição, enquanto que a CRID é, efetivamente, a confirmação da inscrição do aluno em uma determinada turma.


O que é o BOA?

É o Boletim de Orientação Acadêmica, um documento oficial emitido pelo DRE, através do SIGA, que contém diversas informações importantes. Neste documento figura o elenco das disciplinas e RCS recomendados, as disciplinas já cursadas com os respectivos graus e as que ainda devem ser cumpridas, as disciplinas com inscrição facultada, vedada ou condicionada, frequência de reprovações, número de créditos obtidos e acumulados, número de períodos com coeficiente de rendimento inferior a três, períodos com trancamento de matrícula, número de períodos integralizados e prazo máximo de integralização do curso, além de outras informações.


O que é o Boletim Escolar?

No boletim escolar estão relacionados os graus obtidos em todas as disciplinas cursadas em períodos anteriores (aprovações e reprovações). É emitido a partir do segundo mês de cada período letivo.


Qual é a diferença entre CR e CRA?

O CR (Coeficiente de Rendimento) é a média ponderada pelo número de créditos das notas obtidas nas disciplinas cursadas em um determinado período. O CRA (Coeficiente de Rendimento Acumulado), por sua vez, é a média ponderada pelo número de créditos das notas das disciplinas já cursadas durante todo o curso.


O que é o DRE?

É a Divisão de Registro de Estudantes, um órgão que mantém controle sobre as matrículas, inscrições em disciplinas, notas, etc. Emite todos os documentos acadêmicos importantes: Boletim Escolar, Histórico Acadêmico, Boa, etc.. Ela fica no CCMN.


A quem se pode recorrer quando tivermos problemas com o SIGA?

Deve-se recorrer à Secretaria Acadêmica, que fica no 2º Andar do Bloco A do CT.



Estágio e Iniciação Científica

A partir de quando pode-se começar a estagiar?

Para o estágio não-obrigatório é preciso ter 50% do curso e o ciclo básico concluídos (até o quarto período). Já para estágio obrigatório é preciso ter 70% do curso concluído, sem a necessidade de ter o ciclo básico completo. No site da poli, existe uma área reservada para divulgação de oportunidades de estágio: http://www.poli.ufrj.br/polioportunidades.php . Informações mais detalhadas sobre estágios encontram-se no link: http://www.poli.ufrj.br/ambiental/arquivos/Programa%20Estagio%20Congregacao%2024-06-2009.pdf .


Quais são os pré-requisitos para fazer iniciação científica?

Normalmente, é preciso que o aluno esteja devidamente matriculado no curso com CRA maior ou igual a 6,5 ou CR maior ou igual a 8,0 nos dois períodos anteriores, já tenha cursado o primeiro ano do curso de graduação, não tenha curso de graduação concluído, não tenha outra bolsa (inclusive de estágio) e não tenha qualquer vínculo empregatício.


Como funcionam e quem podemos procurar para realizar pesquisas de campo e iniciação científica?

Esse tipo de atividade é indicada entre o 3º e 4º anos (depois do ciclo básico e antes de fazer estágio). Com quem falar depende muito da área de interesse de cada um, em geral, durante as aulas os professores divulgam oportunidades. Alguns dos institutos (professores) que podem ser contactados nesta busca são:

Recursos Hídricos - DRHIMA (Iene, Isaac, etc.);

Solos - Instituto de Geotecnia (COPPE) (Maria Claudia, MAria Cristina);

Energia e Mudancas Climáticas - PPE (COPPE) - em especial o Emílio, coordenador do LIMA;

Modelagem Numérica e Materiais Sustentáveis - Laboratório de Estruturas (Eduardo Fairbairn, Fernandao, Romildo);

Química Ambiental - Escola de Química (Ligia, Juacyara, Fabiana, Denize, Claudinei);

Cidades Sustentáveis - DEG (Fernando, Gabriella).



Intercâmbio

Quais são as opções para intercâmbio?

Existem dois tipos de convênios: intercâmbio de curta duração, com validação de créditos (de 6 meses a 1 ano) e intercâmbio de duplo diploma (2 anos).


A partir de que período podemos fazer intercâmbio?

O indicado é que o aluno esteja entre o 5º e o 8º períodos.


Quais são os requisitos mínimos?

Os requisitos mínimos geralmente são: ter um CR acima de 7,0 e falar uma língua extrangeira (normalmente a língua exigida é aquela falada no país, exceto em alguns casos específicos, como Hungria e Suécia, por exemplo).


Como funciona a seleção?

Normalmente funciona assim: é aberto um edital com um número determinado de vagas, estas podendo ou não ser direcionadas para alunos de um curso especifico. A seleção é feita baseada numa entrevista no desempenho acadêmico do aluno, bem como no envolvimento deste com atividades acadêmicas extracurriculares (participação em iniciações científicas, monitorias, projetos de extensão, etc). Também são pedidos uma carta de motivação e duas de recomendação de professores da UFRJ.


Quais são os principais destinos de quem faz intercâmbio?

A maior parte dos países de destino são os europeus, pincipalmente França e Alemanha, mas também são muito comuns países como EUA e Austrália. A maioria possui bolsa do Programa Ciências Sem Fronteiras, alguns até com bolsas próprias de seus programas. A lista das Universidades com as quais a Escola Politécnina é conveniada encontra-se no link a seguir : http://www.poli.ufrj.br/intercambio/pt-br/convenios.html .


Como funciona o sistema de equivalência de matérias?

A equivalência de matérias deve ser solicitada pelo intercambista após voltar ao Brasil. O aluno deve solicitar a sua universidade no exterior as ementas oficiais de suas disciplinas cursadas. Estas ementas devem ser comparadas com as ementas de disciplinas similares oferecidas por qualquer curso da UFRJ. Cada disciplina cursada no exterior deve ter um mínimo de 75% da carga horária de cada disciplina a qual se pretende ganhar equivalência na UFRJ. Cabe ao aluno a tarefa de procurar no SIGA as disciplinas equivalentes, assim como de fazer as comparações de ementa necessárias, bem como a tradução das mesmas. Costuma ser um processo demorado. No entanto, vale lembrar que o intercambista não é obrigado a solicitar a equivalência das disciplinas cursadas até porque, muitas vezes, não haverá disciplinas semelhantes oferecidas pela UFRJ. Indica-se a disciplina Tópicos em Engenharia Ambiental II como possível equivalência para disciplinas do escopo do nosso curso que não tenham equivalentes na UFRJ.


O que é o Programa Ciência Sem Fronteiras?

O Ciências Sem Fronteiras é um programa realizado pelo Governo Federal através do CNPq e Capes e Secretarias de Ensino Superior e de Ensino Tecnológico do MEC. Promove intercâmbio para alunos de graduação e pós-graduação em diferentes áreas, com bolsas de auxílio. Para se candidatar ao programa, normalmente, é necessário primeiramente que o curso esteja na lista do Programa, e que o aluno preencha a alguns pré-requisitos (como por exemplo ter um CR alto, tenha uma nota mínima no teste de proeficiência da língua, apresentar carta de recomendação dos professores), de modo a receber uma carta de aceite do programa. ( Maiores informações podem ser encontradas no site: http://www.cienciasemfronteiras.gov.br/web/csf/home ) .



Emails importantes:

Heloísa Firmo (Coordenadora do Curso): hfirmo@poli.ufrj.br

GAEA: gaea@poli.ufrj.br

Rogério dos Santos Nascimento (Coordenação de Relações Internacionais): roggeo@poli.ufrj.br



Sites importantes:

Intercâmbio: http://www.poli.ufrj.br/intercambio/pt-br/apresentacao.html

Manual do Aluno: http://www.poli.ufrj.br/arquivos/MANUAL_ESTUDANTE_2012.pdf

Site do Curso: http://www.poli.ufrj.br/ambiental/

Universidade Federal do Rio de Janeiro - Escola Politécnica
Av. Athos da Silveira Ramos, 149, CT - Cidade Universitária - Rio de Janeiro - RJ - Brasil
E-mail: secretaria.graduacao@poli.ufrj.br - Telefone: (21) 2562-7296